segunda-feira, 8 de julho de 2013

Por trás das mulheres psicóticas no cinema.

Um assunto que eu me interesso muito no cinema são personagens femininos com tendências psicóticas. E quando eu digo isso, não me refiro a simplesmente mulheres assassinas, mas sim, mulheres com personalidades estranhas, quem usam o crime, o sadomasoquismo e a tortura para expressar sentimentos que elas mesmos não conseguem compreender e usam tais caracteristicas para se expressarem.  

Em geral, personagens femininos no cinema tendem a ser muito mais interessantes do que personagens masculinos por possuírem uma perspectiva diferente de tudo o que acontece ao seu redor e geralmente ser um instrumento de manipulação e desejo entre os homens, tanto na história da humanidade quanto na história do cinema. Já percebeu que não há filmes de exorcismo onde o personagem possuído é um homem? Pois bem. Eis aqui um olhar mais aprofundado por trás de personalidades femeninas no cinema com tendências psicóticas.


Começando com Cisne Negro, Nina é provavelmente um dos personagens histéricos femeninos mais conhecido atualmente. Uma bailarina que é tão obsecada pela perfeição de sua profissão que acaba se levando a morte graças a sua loucura. Porém, há indicios no filme de Aronofsky que mostram que Nina não sofre apenas com sua determinação, mas como também, é abusada por todos a sua volta. Sua mãe, por exemplo, é o personagem que mais abusa de Nina, nos levando a crer que é possível que sua mãe pratique incesto com sua própria filha. E os indícios estão em todos os lugares. Sua mãe, além de constantemente a chamar de "sweet little girl", a coloca na cama todas as noites. Não deixa a filha falar com outras pessoas enquanto está em casa, como a cena em que a personagem de Mila Kunis aparece em sua casa e sua mãe diz para ela que Nina não está. Há uma cena, também, que sua mãe grita de longe, perguntando para Nina se ela está "pronta para ela", enquanto ela se arruma em seu quarto. E repare que com o passar do filme, Nina começa a querer distancia de sua mãe, trancando seu quarto e não deixando ela entrar. Há também uma cena em que Nina está tomando banho na banheira e ela mergulha sua cabeça na água. Quando ela abre os olhos, ela vê sangue na água e sua mãe a encarando por cima, com um sorriso no rosto. Quando Nina volta da balada com a personagem de Mila Kunis, sua mãe tem um ataque e Nina se tranca no quarto e faz sexo com Mila Kunis. No dia seguinte, a porta de Nina está arrombada, e a personagem de Mila nega ter feito sexo com ela na noite anterior, nos levando crer na possibilidade que houve na verdade, sexo entre Nina e sua mãe.

Há outros personagens que também abusam da garota, como o seu professor de balé que vive tentando seduzir ela para ela entrar no papel de cisne negro. Ele a leva para casa e a manda ela se masturbar. A personagem de Mila Kunis também a manipula, a beija, e tenta roubar seu papel. Há uma cena no filme onde Nina está no metrô e um homem aleatório começa a fingir que está batendo uma punheta enquanto olha para ela.

Tudo em torno de Nina está voltado para o abuso sexual, assim como a maioria dos filmes de personagens femeninos histéricos. Sua paranóia fica tão grande que ela começa a ver a personagem de Mila Kunis fazendo sexo com todos, inclusive com um cisne negro gigante. Toda essa paranóia e repressão, ela acaba jogando em uma leve mutilação, que é a coceira que fica em suas costas. O machucado existe desde o começo do filme, onde sua mãe pergunta o que é e ela diz que não é nada. o machucado, porém, vai ficando pior com o passar do filme, até sua mãe nos revelar no final que é ela que fica se machucando de tanto coçar. Tal coceira é sua mutilação, que a faz se transformar no Cisne Negro, o estado de espirito que ela necessita estar para interpretar seu papel na peça, e só consegue chegar até ela através de toda esse abuso e repressão que ela sofre durante o filme inteiro.


Um filme muito similar ao Cisne Negro é Repulsa ao Sexo de Roman Polanski. O filme conta a história de uma mulher interpretada por Chaterine Deneuve, Carol, que tem literalmente repulsa ao sexo. Ela mora em Londres com sua irmã, porém, vive tendo ataques de loucura pelo fato do namorado dela estar sempre em casa. Ela não consegue dormir, porque ouve sua irmã fazendo sexo no quarto ao lado. Ela passa os dias sempre olhando para o nada, como sua mente distante do lugar em que está. Há um belo rapaz interessada nela, que a persegue e tenta a chamar para sair, mas ela sempre parece indecisa em suas atitudes e sempre acaba fugindo dele. Até então que sua irmã vai viajar com o namorado e ela passa dez dias em casa, sozinha, onde coisas paranormais começam a acontecer.

O filme inteiro é uma passagem bem estranha sobre acontecimentos de horror dentro da casa de Carol. Paredes começam a se rachar e mãos começam a sair de dentro. As salas começam a mudar de tamanho, e enquanto dorme, Carol ouve alguém andando dentro de sua casa, tentando arrombar a porta de seu quarto. Até que em uma das noites, algo entra em seu quarto e a estupra. Os dias vão passando e sua neurose vai aumentando cada vez mais, até que o cobrador do aluguel chega em sua casa para pegar o dinheiro e ela o mata. Quando sua irmã chega de viagem, ela encontra o homem morto na banheira e Carol debaixo da cama com os olhos arregalados, petrificada, sem falar nada. A última cena do filme é um porta-retrato com uma foto de Carol quando ela era criança, olhando com o mesmo olhar sinistro para um homem na foto.

Logo concluimos que Carol foi abusada sexualmente quando criança por algum parente e tal tragédia a levou ter tais caracteristicas quando grande. Tinha repulsão por homens e tinha medo de que alguém ia ataca-la e abusa-la. Os acontecimentos que ocorreram naquela casa durante a ausencia de sua irmã foram paranóias que ela sofria. As paredes rachavam e quebravam, como sua inocência, e mãos saiam da parede para agarra-la, como seu maior pesadelo. Pessoas estranhas a abusavam, e ela pedia noção do tempo. Um filme que explica mais sobre o que acontece com o personagem em seu roteiro, mas ainda sim, um estudo interessantissimo sobre personagens histéricas e psicóticas no cinema.


Um filme bastante controverso agora, e com um tema totalmente diferente e mais sobrenatural, é Antiristo, de Lars Von Trier. Contando a história de um casal que vai passar um tempo afastado numa cabana na floresta para se recuperar da morte do filho, o filme conta na verdade uma história sobre feminicídio, que é o ato de assassinar mulheres por serem mulheres.

Depressiva pela morte do filho, a personagem de Charlotte Gainsbourg possui uma tristeza que passa de emocional para fisica, onde ela não consegue andar e as vezes tenta se machucar. Enquanto o seu marido psicologo tenta cura-la, ele começa a perceber uma certa tendencia psicotica da mulher, que começa a ter atos violentos durante o sexo, e começa a dizer para ele que a morte do filho é culpa dela, já que o filho morreu enquanto o casal fazia sexo. Logo, ele compreende que a mulher está com ideias feminicídias, tema que ela mesmo estava estudando a alguns anos antes para um livro que ela estava escrevendo. Porém, em vez dela escrever um livro sobre o assunto, ela acabou sendo convencida pelo tema, e começa a atacar o marido. O marido tenta salva-la, mas ela o taca com uma grande pedra em seu orgão sexual, tornando-o impotente. Em seguida, ela corta seu clitoris e espera a morte enquanto Tres Magos vem busca-la.

A verdade é que há muitas coisas para falar de Anticristo. Primeiro, que é um filme sobre depressão, estado que o diretor também estava quando escreveu o filme. Segundo, que é uma pequena fabula de Adão e Eva que é a favor do feminicidio, concluindo que a mulher é má, assim como Eva, que mordeu a fruta do pecado e trouxe o inferno para a terra. Von Trier mistura esses elementos numa história atual, obscura e sobrenatural que não está preocupado em provar e contar nada, mas apenas mostrar uma história de horror pagã, que usa a mulher como instrumento diabólico para trazer o caos. Algo que muitos criticam também, pois um dos motivos para Von Trier entrar em depressão foi o fato de sua mãe falar que ele era adotado em seu leito de morte, tornando-se possivel que ele tenha uma raiva de mulheres por causa disso. De um jeito ou de outro, Anticristo é um belissimo e obscuro filme sobre uma mulher psicótica.


Um dos meus filmes preferidos sobre esse tema é A Professora de Piano, de Michael Haneke. O filme conta a história de uma professora de piano muito talentosa com uma personalidade bem particular. Em suas horas vagas, a mulher gosta de visitar lojas pornos e entrar em cabines onde homens se masturbavam para cheirar o semêm deles. Ela procura pessoas fazendo sexo em carros durante sessões de cinema ao ar livre para observa-las. Ela até chega a se mutilar, cortando sua vagina com uma lamina, afim de ter prazer sexual. As intenções da personagem não são claras, mas é óbvio que ela possui um certo prazer pelo sadomasoquismo. E isso se intensifica quando ela começa a ter uma relação com um dos seus alunos, e tenta fazer com que ele satisfaça seus desejos ao usar objetos sadomasoquistas e interpretar cenas violentas, como entrar em sua casa fingindo que está assaltando ela, e bater nela e estupra-la.

A verdade é que A Professora de Piano é nada mais nada a menos do que um filme sobre uma mulher com gostos violentos e estranhos em relação ao sexo. Michael Haneke, que antes de ser diretor era um psicologo, faz um filme sem criar nenhuma atmosfera de terror e mostra de uma maneira cru uma personalidade estranha e interessante, que começa a entrar em conflito quando ela se apaixona pelo seu aluno. Ela não está apenas apaixonada por ele e quer que ele se submita aos prazeres dela, mas como também, tenta competir sua atração com uma outra aluna sua que parece despertar um certo interesse pelo seu amante aluno, fazendo com que a professora coloque seu lado sexual violento para afetar a menina ao tentar machuca-la. 


Possessão não é apenas um filme sobre uma mulher psicótica, mas é também, um dos filmes mais interessantes e estranhos que eu ja vi na vida. Inicialmente, Ana é uma mulher que larga o marido após ele voltar de uma viagem a negócios, enquanto tratava de um paciênte. A razão de Ana largar o marido é um mistério, fazendo ele suspeitar que ela esteja tendo um caso com um outro homem. E de fato ela está com um outro homem; um sujeito mais velho que parece ter grande experiencia sexual. Mas  ao descobrir isso, seu marido continua achando que tem alguma coisa a mais acontecendo pelas atitudes estranhas de sua mulher, como passar dias sem aparecer em casa e possuir uma certa tendencia psicotica e violenta quando se encontram. Achando tudo estranho, o marido coloca um detetive para ir atrás dela. Os detetives encontram ela morando num apartamento abandonado, onde há uma criatura bizarra morando com ela. Mais tarde, o marido descobre que ela está assassinando pessoas e fazendo sexo com a criatura bizarra reside em sua casa.

Apesar de tudo, a história é muito mais estranha e complexa que isso. No final do filme, descobrimos que Ana pariu a tal criatura e está fazendo sexo com ela enquanto a criatura se transforma num doppleganger do próprio marido, que se junta a uma doppleganger da propria Ana. Durante a passagem do filme, Ana diz que esta criatura é Deus, e com o passa do filme, o próprio marido começa a acreditar nela, iniciando uma relação de sangue, sexo e o sobrenatural.

Possessão é um filme mais existencialista com teorias absurdas do que um filme de terror. Ainda que não seja completamente claro onde o diretor queria chegar, Ana é um dos personagens femeninos psicóticos mais famosos do cinema. Não só sendo um personagem extremamente estranho e interessante, suas atitudes não são para se satisfazer ou para se expressar, mas sim, dar sua vida a algo maior. O que seria esse algo maior ainda é algo que todos os expectadores ainda debatem. Um filme extremamente interessante de se ver e de se discutir.


E já que estamos falando de possessão, vamos falar de O Ultimo Exorcismo, que na verdade, não é um filme sobre possessão. A história é sobre um homem que está deixando de ser padre e está fazendo um documentário para provar que pessoas possuidas pelo diabo não existem. Ele chega a ir no interior de uma cidade e faz um exorcismo falso numa menina que acredita que está possuida por um demônio. Porém, após o exorcismo, as atitudes da menina começam a ficar piores, e ela começa a atacar o irmão, fazer desenhos que mostram a morte, mata os animais da fazenda que mora, e etc. Achando que a menina está com problemas psicologicos, o padre leva ela para o hospital, onde é revelado que a menina está gravida. Com as situações piorando, e o pai fazendo coisas absurdas com a menina para ela não fazer coisas piores, o padre começa a achar que a menina está sendo abusada pelo pai. O pai, porém, nega tal acusação e pede para fazer outro exorcismo na menina.

O padre então faz um verdadeiro exorcismo na menina e a menina fica saudável novamente. Ela então admite que teve relações sexuais com um menino de um café, e é por isso que ela esta gravida. Com tudo parecendo normal, o padre vai embora deixando a menina com o pai e um psicologo. Porem, no caminho de volta para casa, o padre para no café onde o menino que teve relações com a menina supostamente trabalha e eles descobrem que o menino nunca teve nada com a menina pois ele é gay. Achando estranho, o padre volta para a casa da menina e encontra a casa dela abandonada. Eles começam a procurar em volta e encontram um culto acontecendo, onde pessoas estão tirando um feto da barriga na menina e jogando o feto na fogueira, para trazer algum demonio de volta a vida. O padre tenta ajudar a menina, mas eles acabam sendo atacados pelos fanáticos religiosos e morrem.

A verdade é que tudo o que aconteceu no filme não passou da loucura da menina que estava sendo manipulada por fanáticos religiosos. Provavelmente, a menina havia sido abusada sexualmente por eles, inclusive o seu irmão, que tambem fazia parte do culto. Quando a menina começava a ter ataques de loucuras, o pai acreditava que ela estava sendo possuida pelo demonio, por isso pediu ajuda. Portanto, tudo o que a menina havia feito que parecia atos de possuição, era na verdade, ataques histéricos da menina que estava sendo manipulada por fanaticos religiosos.


Concluindo, grande parte de filmes de mulheres psicoticas vem de algum sentimento reprimido do sexo, resultando em algum medo, paranoia, fetiche ou até mesmo o sobrenatural. Geralmente elas estão em filmes de horror por apresentarem tais caracteristicas, mas na verdade, são uma metáfora para representarem seus sentimentos. A parte curiosa é como isso é apresentado no cinema, algo totalmente diferente dos homens. Mulheres se machucam, veem coisas, possuem poderes, matam, mentem; enquanto homens geralmente só matam. Acredito que os únicos filmes que possuem personagens psicóticos masculinos interessantes é Psicose, de Alfred Hitchcock, onde o assassino incorpora a personalidade de sua mãe; O Silencio dos Inocentes, onde o assassino mata mulheres para pegar suas peles para virar uma mulher; e Bunny Lake Desapareceu, onde o assassino também tem dupla personalidade e acha que é uma criança e tem inveja da filha da irma. E mesmo assim, como vocês podem ter, tais personagens tem uma tendencia a homossexualidade e a transformação de homem para mulher. Afinal, as mulheres são os personagens mais interessantes.

Há milhares de outros filmes onde mulheres psicoticas batem na mesma tecla: Carrie, uma mulher que possui sua sexualidade e personalidade tão reprimida que passa a ter poderes sobrenaturais; Sexta-Feira 13, onde a mãe é tão obsecada pelo filho que mata pessoas por ele; entre outros. Comece a prestar atenção nos filmes e descobrirá um mundo interessantissimo de mulheres psicoticas!

Nenhum comentário: